Facebook

Achou mesmo que ia ser briga de rua?

25 abril 2015

Eu vou falar hoje do filme Velozes e Furiosos 7, assisti ao filme ontem (24/04) e fiz uma resenha um tanto engraçada pra vocês.
Bom, FILME MUITO FODA! Como todos sabem último filme do Paul e ficou top o final. Vou ser bem breve para contar a história, todos sabem que Dominic Toretto quer vingar a morte de Han. Hobbs é atacado por um cara, esse cara é Shaw que quer vingar a internação do irmão. Shaw matou Han, por isso virou alvo de Dominic, que o mesmo deixou seu irmão internado. Hobbs chama Dominic depois de seu incidente para avisar o que ele tem que fazer. 
Brian, Letty, Roman e Tej estão juntos no funeral de mais um amigo. Onde ocorre o seguinte diálogo:
Tej: Cara, não aguento mais ir em funerais! Nós temos que pegar aquele cara. (ele se refere a aquele que matou Han)
Brain: Só vamos em mais um (pausa dramática) O dele!
Durante esse diálogo Toretto percebe que há um carro parado ali observando ele. Os outros logo percebem também, ele vai atrás do carro, onde param e começam a lutar. Durante a luta Shaw e Toretto são surpreendidos por um ataque surpresa que procura ajudar Dominic. O cara que planejou essa ajuda tem uma proposta para fazer.
Esse cara, 'Mr. Nobody', propôs que se Dominic conseguisse pegar o olho de Deus para ele, ele o ajudaria a pegar Shaw. Foi esse trato, foi esse o filme.

Editora Butterfly e Petit Editora

24 abril 2015

              Boa tarde, meus amores. Eu estou tão feliz por termos sidas selecionadas que tive que vir aqui contar para vocês e é claro apresentar um pouquinho dessas maravilhosas editoras. Vamos lá? 

Petit editora



                                    A Petit Editora iniciou suas atividades em 1982, na cidade de São Paulo.


No ano de 1990, seus fundadores, resolveram direcionar a editora para atender, com exclusividade, a demanda por obras espíritas, pois naquela época, o livro espírita estava restrito apenas aos centros espíritas.

A partir de então, os fundadores da Petit, profissionais da área de comunicação publicitária e conhecedores do marketing editorial, iniciaram suas primeiras edições, as quais chamaram a atenção do mercado editorial pela criatividade de suas capas e a qualidade de seus projetos gráficos.

Resenha: A Rainha - Kiera Cass

23 abril 2015

                     Boa noite, meus amores. Em pleno dia do Livro eu não poderia deixar vocês sem dica, certo? É por isso que eu estou aqui hoje para falar de um “conto” que é uma leitura rápida e perfeita principalmente para os fãs de A Seleção. Aliás, já viram que foi confirmado o primeiro filme? Eu estou ansiosa para conferir e espero que eles não façam nenhuma besteira na produção.  Enquanto isso vem comigo conhecer um pouco mais sobre como foi a seleção da Rainha Amberly e entender mais um pouco sobre o jeito apaixonante dela ;)

Autora: Kiera Cass
Editora: Seguinte
Ano: 2014
Avaliação: 6/5 - Favorito
Sinopse: Uma das personagens mais cativantes de A Seleção é a rainha Amberly, mãe do príncipe Maxon. Ao longo da série, descobrimos pouca coisa a seu respeito, e muitas dúvidas permanecem: como uma pessoa tão bondosa e gentil se apaixonou por um homem rígido e impiedoso? Por que Clarkson a escolheu, considerando que ela vinha de uma casta baixa e de uma província pobre? E qual era exatamente seu estado de saúde?

Chegou a vez de Amberly contar sua própria história. Em A rainha, disponível em edição digital, acompanhamos a Seleção anterior à de America Singer, quando Amberly foi ao palácio com outras trinta e quatro garotas para disputar o coração do então príncipe Clarkson. O leitor enxergará uma nova faceta do rei através dos olhos apaixonados de Amberly, entenderá melhor o relacionamento dos dois e conhecerá um pouco mais do passado dessa personagem tão encantadora — uma garota simples que provou que uma rainha pode vir de qualquer casta.

Resenha: Uma Canção para Libélula - Juliana Daglio

21 abril 2015

                Boa tarde, meus amores. Vocês irão notar que agora não é mais possível copiar nada que está no blog e irei explicar o porquê. Ontem enquanto estava no facebook em uma outra página estava uma parte de uma das minhas resenhas e sem os devidos créditos, para evitar que coisas assim acontecessem novamente eu retirei essas opções. Os autores que desejarem alguma parte para divulgação podem me pedir que eu passo sem problemas, para quem tiver interesse eu também passo desde que esteja com os devidos créditos. Agora vamos ao que interessa certo? A obra de hoje é linda e emocionante, diferente de tudo que já li e que eu acredito que todos deveriam ler, vem comigo conhecer mais sobre Uma Canção Para Libélula da autora parceira do blog Juliana Daglio.

Autora: Juliana Daglio
Editora: Deuses
Ano: 2014
Avaliação: 5/5
Sinopse: Era uma comum primavera numa fazenda qualquer, mas um encontro inusitado aconteceu: a Menina e a Libélula se viram pela primeira vez. Assombrada por um medo irracional da Morte, a Menina é marcada por esse encontro para o resto de sua vida. Compõe então uma canção em seu piano, homenageando a misteriosa libélula.
Os anos se passaram, Vanessa vivia em Londres e tinha a vida cercada por seu iminente sucesso como pianista, porém, algo aconteceu, mudando seu destino: Uma doença, uma viagem e um reencontro.
Vanessa precisará encarar fantasmas que sequer lembrava um dia terem assombrado sua vida, tendo de relembrar a morte do irmão e reviver seu conflito com a mãe. E mais importante e mortal, conhecer a grande antagonista de sua vida, a quem chama de Vilã Cinzenta.
De Londres a São Paulo, dos Palcos aos Lagos. “Uma canção para a Libélula” é a história de uma alma perdida e de sua busca por quebrar o casulo de sua existência, para só então compreender o sentido da própria vida. Este livro é um profundo mergulho em uma mente nebulosa, permeada por lagos obscuros e pela inusitada morte; não havendo sequer esperanças.

A vida de Clémentine e Adele

20 abril 2015

Sumi um pouco, mas estou aqui, vamos lá gente! Primeira vez que eu falo de livro, espero que gostem. 


Hoje irei comparar o livro Azul é a cor mais quente com o filme. Livro foi lançado em março de 2010 e o filme em outubro de 2013. O resumo do livro e filme são basicamente a mesma coisa, embora o nome de suas personagens principais não são os mesmos. No filme, seu nome é Adèle , que antes no livro seu nome era Clémentine. Eu gostei muito do filme, gostei mesmo, por isso me deu muita vontade de ler. Achei, inocentemente, que a história seria a mesma só que com mais detalhes. Estava meio errada, mas não se irrite porque é diferente, mas ao mesmo tempo você nota semelhanças. Se nunca viu um nem outro, veja o filme primeiro e depois leia o livro.


Eu estava com uma amiga minha e a ela falou que deveríamos ver o filme porque parece ser legal  (a propósito, foi com ela que eu assisti Ninfomaníaca), eu falei que tudo bem, vimos só os primeiros 40 minutos juntas, depois eu terminei sozinha. Eu amei o filme, amei tanto que vi mais duas vezes. Eu sei, eu sei, o filme tem três horas de duração, mas eu me encantei com a história, embora tenha achado que tudo aconteceu muito rápido, cheguei até a me deparar com o seguinte pensamento: "Nossa, mas as coisas lá na França são bem rápidas, ninguém perde tempo". Quem já viu o filme, sabe que o final é tipo: VAI TOMAR BEM NO OLHO DO SEU **!!!! Eu nunca fiquei tão brava com um final de um filme, ah mas eu xinguei, xinguei muito.