O Grande Hotel Budapeste

|

     Estética é um adjetivo que pode definir os filmes de Wes Anderson. O diretor tem uma estética própria em seus filmes que torna fácil identificá-los que são seus e em O Grande Hotel Budapeste a tradição se mantém. O longa conta a história de um escritor que se hospeda no já decadente hotel do título, lá ele conhece o dono do lugar que começa a relatar o que aconteceu no hotel no ano de 1932, quando este estava no seu auge em pleno o período entre guerras.
     
     Palavras faltam para descrever o longa, uma mistura de drama e comédia que funciona muito bem, o roteiro de Wes Anderson é muito bem executado em tela em conjunto com sua direção única no cinema atual. A parte técnica é um deslumbre, a direção de arte, o figurino, a trilha sonora, a fotografia... tudo trabalha em conjunto para o bom funcionamento. O filme como um todo é bastante especial, não sendo exagero dizer que foi um dos melhores da carreira do diretor e um dos melhores feitos nos últimos anos. No ano de seu lançamento foi eleito o melhor filme do ano pela revista Time e pelo site Business Insider.


     O Grande Hotel Budapeste foi exibido em festivais ao redor do mundo e esteve presente nas principais premiações cinematográficas. Entre os prêmios recebidos, o longa metragem conquistou o Urso de Prata do Festiva de Berlim, o Globo de Ouro de Melhor Filme de Comédia/Musical, cinco prêmios BAFTA (incluindo melhor roteiro original) e quatro Oscar's (todos em categorias técnicas).

     O elenco do filme é sensacional. Nomes de peso como Bill Murray, Edward Norton, Saoirse Ronan, F. Murray Abraham, Jude Law, Tilda Swinton, Willem Dafoe, Adrien Brody, Léa Seydoux, entre outros. Mas quem rouba cena são os protagonistas Ralph Fiennes e Tony Revolori, o ator veterano e o novato estão excelentes, tendo uma química incrível entre os seus personagens, dividindo momentos hilários e emocionantes ao mesmo tempo. Principalmente Fiennes (totalmente diferente do Lord Voldemort de Harry Potter) está magnífico o tempo todo em cena, entregando-se absolutamente ao personagem.


     A famosa simetria do diretor está presente, a palheta de cores detalhadamente escolhida também está lá, todas as marcas do cinema de Wes Anderson estão presentes. The Grand Budaspest Hotel (título original) é um filme que pode ser assistido com toda a família, além de ser excelente é um deslumbre para os olhos. Ao seu término, é impossível tirá-lo da memória, o tom nostálgico que o longa deixa aprisiona o telespectador. O Grande Hotel Budapeste mostra, acima de tudo, a verdadeira magia do cinema, com sua capacidade de entreter, divertir, enfeitiçar e emocionar.



Até a próxima,
Meirelles

Nenhum comentário:

Postar um comentário