Resenha: O Terceiro Testamento - Christopher Galt

|

Quando pessoas de diversos locais do mundo começam a sofrer as mais variadas alucinações, algo definitivamente não parece estar certo! Quanto mais o tempo passa mais casos resolvem aparecer seguidos sempre da frase: estamos nos tornando... Mas se tornando o que? Em uma história repleta de teorias e casos sem ligação alguma, eles terão que descobrir o porquê disso esta acontecendo... e terá que ser rápido; antes que o futuro dos EUA seja impactado. Esteja pronto e atento aos detalhes, mas cuidado, O terceiro testamento - publicado pela Editora Jangada e escrito por Christopher Galt poderá te fazer duvidar se o que vê é real ou se você também faz parte dos sonhadores! Confiram mais detalhes a seguir:


O mundo parece estar enlouquecendo!
Em toda parte, as pessoas começam a ter visões. Um adolescente francês assiste Joana D'Arc ser queimada na fogueira, e até tenta tirar uma foto com o celular, e a presidente dos Estados Unidos tem visões de seus antecessores dentro da Casa Branca. Ninguém sabe se essas misteriosas aparições são uma espécie de alucinação coletiva, uma doença virótica causada por bioterrorismo ou se são sinais do Apocalipse. Ocorrem suicídios em massa em várias partes do mundo, e o psiquiatra e neurocientista John Macbeth, à frente de um projeto para criar uma inteligência artificial autônoma, busca freneticamente uma resposta antes que seja tarde demais. Ele descobre que a verdade por trás de tudo pode mudar os rumos da humanidade para sempre. E até custar a sua vida. Uma história eletrizante que o fará questionar sua perspectiva da realidade. E até mesmo a sua sanidade.

Avaliação: 4/5 estrelas

                Em um luxuoso apartamento em Central Park - Nova York, um homem é encontrado morto por inanição. Vinte e sete jovens saltam juntos da ponte Golden Gate. Cinquenta estudantes japoneses que se encontravam acampados na Floresta Aokigahara, ao pé do Monte Fuji, se embrenham na mata, após dividirem uma refeição e entoarem canções ao redor da fogueira, cortando sua jugular. Um escritor e três cientistas se suicidam em Berlim. Uma mulher de meia-idade se senta calmamente no meio de uma estrada próxima a Organização Europeia para Pesquisa Nuclear e coloca fogo em si mesma. Um estúdio de Hollywood é atacado por bombas incendiarias. Marie Thoulouze tem uma visão acerca da Joana d’Arc, assim como diversas outras pessoas têm visões sobre fatos que não estiveram presente. Em todos os lugares do mundo pessoas das mais diferentes etnias e religiões começam a desmoronar psicologicamente causando mortes. O mundo parece estar prestes a entrar em colapso e ninguém sabe o que está acontecendo a não ser aqueles que fazem parte do lugar.

                John Macbeth, psiquiatra e neurocientista importante, se encontra à frente de um projeto em Copenhague que busca criar uma inteligência autônoma; uma espécie de cérebro criado artificialmente para entender o funcionamento desse importante órgão humano – o Projeto UM. Em sua pesquisa ele busca demonstrar que quando o ser humano não se identifica com o mundo a sua volta ele acaba por criar um, como se fosse parte de sua própria realidade. Ao mesmo tempo em que tem que se acostumar com os episódios que sofre de despersonalização.

"Momentos aterradores de um isolamento despersonalizado, antes de se dar conta de que era o doutor John Macbeth, psiquiatra e neurocientista cognitivo, que tentava dar sentido aos próprios conteúdos psicológicos por meio da compreensão dos outros. Trabalhava, lembrou-se, no Projeto Um, em Copenhague, Dinamarca, e estava em Boston a serviço desse projeto."

                Pete Corbin, psiquiatra e amigo de Macbeth, com o qual sempre faz questão de se encontrar quando esta em Boston; revela a ele que encontra-se tendo visões estranhas. Noticias começam a ser espalhadas acerca de diversos casos de visões por pessoas que nunca apresentaram qualquer quadro de problema psicológico. E em uma chamada de emergência os dois vão parar no alto de um prédio presenciando uma dessas manifestações estranhas, onde uma mesma frase continua a ser repetida: estamos nos tornando.

                Marie Thouloze, jovem estudante, têm uma visão acerca de sua heroína, que já morreu. Mary Dechaud, uma senhora de oitenta e quatro anos, tem visões de si mesma com vinte e três anos e junto a seu marido – já falecido. Fabian Batelma, uma criança de quatorze anos, se vê fora de sua época em uma aldeia Vikings. Pete Corbin tem visões acerca de um assassinato que aconteceu em sua atual casa. John Macbeth, têm visões acerca de um assassinato de alguém que desconhece. Na Casa Branca, a Presidente Yates tem visões sobre presidentes que já morreram. Vivenciando a experiência com todos os sentidos do corpo humano, essas visões parecem extremamente reais. Mas o que estaria a provocar esses acontecimentos? Seria uma doença virótica espalhado por alguma organização criminosa? Um novo vírus que se espalha pelo ar? A chegada do apocalipse? O que seria capaz de fazer com que nas mais diversas regiões do planeta, acontecimentos estranhos como esses, acontecessem?

"- Há algo que preciso lhes dizer antes - começou Macbeth. - Além de ter tido a experiência do terremoto como os demais, tive pelo menos duas, talvez três alucinações menores em que vi pessoas ou coisas inexistentes."
                 
                A frase estamos nos tornando, vista em mais de cinquenta línguas, que a principio todos acreditavam ser por causa do manuscrito do livro Fantasmas que nós mesmo criamos de John Astor , passa a adquirir uma importância maior ao envolver caso federal e de importância nacional. O FBI está empenhado em garantir a segurança nacional e para isso irá contar com a ajuda de Macbeth, Hoberman e outros cientistas para que descubram o que de fato está a acontecer com o mundo. Mas estão eles preparados para a resposta que irão encontrar, inclusive se isso significar descobrir que o futuro já aconteceu?

-“O especialista é aquele que conhece cada vez mais sobre cada vez menos”. – Macbeth sorriu, erguendo o copo com ar de cumplicidade. – Nicolas Murray Butler.

Escrito pro Christopher Galt, pseudônimo de Craig Russell, famoso autor britânico best-seller, contando com um público de mais de seis milhões de espectadores e o prêmio CWA Duncan Lawrie Golden Dagger; esse é um livro que tem em seu enredo muito mais do que uma simples história que foge a realidade. Abordando temas reais e com criticas a sociedade e ao meio religioso extremista,  ele nos mostra como muitas vezes o exagero acerco de uma ideia pode levar a um colapso em grande escala.

Os termos técnicos apresentados durante as páginas não apresentam uma complexidade a ponto de fazer com que o leitor não consiga acompanhar e nem o banaliza. Com diálogos constantes, nos vemos aprendendo pouco a pouco sobre as diversas patologias colocadas na obra, assim como termos muitas vezes desconhecidos por nós até então. Outro fator positivo são as características de cada personagem (e acreditem são muitos) onde é possível identificar síndromes que são consideradas, atualmente, como os mal do século. Apesar de informações constantemente inseridas, os capítulos curtos e bem separados possibilitam um bom acompanhamento acerca de quem fala, onde está e o que está a acontecer... além de uma valiosa aula de história a cada página.


Em síntese, O Terceiro Testamento é uma obra leva o leitor a refletir sobre diversos pontos acerca do que vivem e pensam. Até que ponto nossa realidade é a verdadeira realidade? Como saber se o que enxergamos não é algo que está meramente em nossa cabeça e não verdadeiramente ocorrendo? Como afirmar que algo é verdade ou mentira? Estaríamos todos nós envolvidos em uma situação de ilusão criados por não conseguirmos nos associar ao mundo em que vivemos? Complexo, instigante, confuso, revelador, Christopher Galt soube como criar uma trama que mistura ficção cientifica, suspense e fim do mundo sem ser exagerado e totalmente possível de ocorrer.

                O tempo todo o leitor é levado a se perguntar o que está acontecendo e o que será que vem a seguir; dividido em três partes e narrado em terceira pessoa, os detalhes importantes e essenciais estão presentes a todo o momento mesmo que a um primeiro olhar não seja possível de ser associado. Com uma edição feita com esmero, juntamente a uma fonte de tamanho agradável e folhas amareladas, essa obra é ideal para todos aqueles que gostam de histórias que te forçam a pensar o tempo todo e se questionar sobre tudo.

                Confesso que em alguns momentos a forma como o autor mostra sua genialidade de forma recorrente e desnecessária, exagerando nas descrições e falhando em sua narração, fazem com que por diversas, mesmo com a fluidez e maestria de escrita, torne a leitura arrastada e quase um teste de paciência. Não é uma obra para qualquer um, e não serão todos que irão gostar. Mais voltada para aqueles que já estão acostumados ao gênero, suas reviravoltas e diferenças , O Terceiro Testamento é uma obra que desafia e instiga você a ir até o final do livro.

                Como bem disse o Publishers Weekly: "poucos leitores poderão imaginar o final de cair o queixo, e os fãs de thrillers de ficção científica vão rezar para que Galt continue escrevendo sobre este gênero". Recomendo a leitura, mas já aviso que é necessário paciência e vontade de aprender, porque esse livro é um ensinamento e tanto.

Um beijo

8 comentários:

  1. Ola
    Finalizei essa leitura há poucos dias e gostei bastante. Não achei a leitura arrastada, acredito que todas as descrições foram necessárias para o desenvolvimento da trama, apesar de que a leitura não foi rápida como eu imaginei que poderia ser. Gosto muito do gênero, então sou suspeita ao comentar, mas adorei poder conferir suas impressões a respeito. Há mesmo o que refletir nesse contexto, sem dúvida.
    Beijos, F

    ResponderExcluir
  2. Oiii eu li este livro a pouco tempo e não curti muito a leitura!
    Achei super arrastado e muito descritivo!
    Mas não foi um livro que achei ruim.so não foi aquilo que esperwva!
    Que bom que mesmo com as dificuldade que vc encontrou com relação a obra .vc gostou do livro

    ResponderExcluir
  3. Tua resenha ficou espetacular! parabéns

    ResponderExcluir
  4. Olá, Bruna

    A história parece ser bem interessante e gostei bastante do fato de fazer o leitor refletir e as críticas quanto a respeito da sociedade. Me parece uma história um pouco complexa e fiquei curiosa para poder conferir, ainda que não seja meu gênero favorito. Amei a resenha!

    www.virandoamor.com

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem? Eu adorei a recomendação e essa resenha muito boa deixa a gente super instigada pela estória.
    https://byangelaserrano.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Adorei o enredo desse livro! Não conhecia a obra e nem o autor, mas pude ver que tem um pouco de conspiração envolvida, FBI e tal...
    Me pareceu um daqueles suspenses que não esquecemos tão cedo. Não sabia que envolvia religião também. Podemos que ver que nada ao extremo é bom. Inclusive religião.
    Ótima indicação!

    ResponderExcluir
  7. Acabei de ler uma outra resenha desse livro e adorei. A sua, apesar da pequena ressalva, só reforçou a minha vontade de ler. Acho muito legal esse estilo de história mais reflexiva e que mexe com a realidade. Eu nem fazia ideia da existência desse livro até hoje, quando li as resenhas, mas já quero ler pra ontem!

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi, Brooke!
    AAH!!! Li esse livro recentemente e adorei!!!!
    Fiquei maravilhada pela escrita e o desenrolar da história. Como gosto desse tipo de leitura, para mim foi muito bom! o/
    O que você achou do final!?
    Beijão!
    http://www.lagarota.com.br/
    http://www.asmeninasqueleemlivros.com/

    ResponderExcluir