Crítica - Bingo: O Rei das Manhãs

|

A década de 80 - do ponto de vista cultural - foi marcante para uma geração. A televisão era um meio de comunicação bastante presente nos lares brasileiros. Cada emissora, tinha o objetivo de ser líder em audiência e para isso oferecia uma programação de acordo com a faixa etária de cada membro da família. Mas há um certo programa infantil que passava nas manhãs que acabou por se tornar uma febre nacional. Então é hora de ver como Bingo se tornou O Rei das Manhãs - a partir de 24 de Agosto nos Cinemas. Classificação indicativa: 16 anos.

Bingo - O Rei das Manhãs do estreante diretor Daniel Rezende traz uma excelente experiência cinematográfica ao apresentar a dicotomia entre a figura pública do Bingo - amado pelas crianças - e a figura oculta do ator Augusto Mendes - que sempre buscou os holofotes - durante uma década conturbada que foi regada a álcool, drogas e sexo.

O longa tem como base o período em que Arlindo Barreto foi o interprete deste icônico palhaço no programa homônimo, além de apresentar os bastidores/vida pessoal dele. O espectador irá revisitar a década de 80 - uma reconstrução fidedigna - através da ótica do ator Augusto Mendes, um ex-ator de pornochanchada que tem a chance da sua vida ao conseguir ser o interprete do Bingo - escolhido pessoalmente pelo responsável (americano) pela marca.

Há pontos que merecem destaque, como a interpretação do Vladimir Brichta - arrisco dizer que foi o melhor trabalho da carreira dele - pois conseguiu apresentar duas versões, completamente opostas, de uma única pessoa e seus conflitos internos/pessoais. Além disso, a participação do ator (já falecido) Domingos Montagner que faz o palhaço Aparício que ajuda Augusto a se tornar realmente o Bingo ao apresentar a essência da arte; uma excelente homenagem ao ator além de mostrar um lado que pode ser até desconhecido do grande público: palhaço de circo.

Os momentos mais marcantes deste filme são feitos sem uma única fala sequer; há dois níveis de envolvimento: se você vivenciou os anos 80, sentirá a nostalgia; caso não, é uma excelente forma de conhecer como era o Brasil neste tempo.


Avaliação: 4,5/5,0

Dá uma Bitoca no meu nariz!


    

8 comentários:

  1. Henrique!
    Como vivi minha adolescência nos anos 80, gostei de saber que poderei ter uma saudosa lembrança.
    Gosto de filmes que retratam a realidade de nosso país e também a biografia de alguém que fi importante durante aquela época.
    Desejo um ótimo final de semana!!
    “A sabedoria consiste em ordenar bem a nossa própria alma.” (Platão)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE SETEMBRO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!

      Desculpa a demora; esse é um filme para os que viveram nesta década, porém para aqueles que não viveram é uma aula sobre um pedaço da história do nosso próprio país.

      Vale a pena!

      Excluir
  2. Ahhh como quero assistir. Vi que ele vai estar no Oscar, então se for bom assim torço para que ganhe.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale a pena assistir. Seria legal ver ele sair com a premiação, apesar de que tenho as minhas dúvidas por que é um filme bem brasileiro, apesar do personagem central ser uma franquia americana...

      Excluir
  3. Olá! O enredo não me atraiu, infelizmente. No meu caso eu não conheço os anos 80, eu mal conheço os 90 também haha Mas enfim, irei deixar essa dica passar por enquanto ❤️

    Um beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que palhaçada é essa? hahaha.

      OK! Indique a quem era dessa época!

      Beijo!

      Excluir
  4. Olá!Tudo bem?
    Não sou da década de 80 mas escutava falar muito sobre Bingo.Eu gosto muito quando contam a história por trás das câmeras e mostram a realidade.
    Não gosto muito de palhaços mas seria uma pedida boa para conhecer a história.
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O trauma de infância com palhaços ataca mais uma vez. Bom, o filme é mais sobre o ator por trás do que pelo personagem em si.

      Excluir